troperville

tools

toys


main index

Narrative

Genre

Media

Topical Tropes

Other Categories

TV Tropes Org
random
Pt: Deus ex Machina

Uma forma comum de Ass Pull ou Writer Cop Out, um Deus ex Machina é uma força externa que resolve um problema aparentemente insolúvel de uma maneira extremamente duvidosa (e, geralmente, anticlimática. Se os documentos secretos estão em russo, um dos espiões subitamente revela que ele aprendeu aquela língua. Se os escritores acabaram de perder patrocínio, um milionário chega de repente, anuncia um interesse no filme deles, e oferece roda a finança que eles precisam para fazê-lo. Se The Hero está pendendo de um penhasco com um vilão pisando em seus dedos, um robô voador aparece subitamente para salvá-lo.

O termo é latim para deus fora da máquina, e tem suas origens no antigo teatro grego. Ele se refere a situações em que um guindaste (machina) era usado para abaixar atores ou estátuas interpretando deuses (deus) no estágio para consertar as coisas, frequentemente perto do fim da peça. Ele tem sido usado, desde então, como um termo geral para qualquer evento em que uma reviravolta aparentemente fatal é resolvido por um evento nunca previsto ou planejado.

Há quatro formas principais que um Deus ex Machina pode tomar:
  1. Deus Ex Machina Completo — Um elemento do plot que não existia anteriormente e não tem explicação lógica. Digamos que o herói tenha sida surrado a ponto de quase perder sua vida e o vilão tenha recuperado sua arma. O herói então acha um controle remoto mágico embaixo de um sofá por perto que o permite parar a cena, tomar a arma, e atirar no vilão.
  2. Deus Ex Machina de localização e tempo ilógicos — Quando algo é estabelecido e explicado em um trabalho, mas seu uso naquela situação impossível de explicar. A partir do exemplo acima, digamos que ao invés de um controle mágico, a milícia local entra e atira no vilão. Talvez tenha sido estabelecido mais cedo que a milícia protege o interior, mas para eles adivinharem que está havendo uma luta em uma fazenda isolada e chegarem lá bem em tempo de salvar o dia há o uso de um Deus ex Machina.
  3. Deus Ex Machina Copia e Cola — Quando a Chekhovs Gun é rapidamente demonstrada, mas de uma maneira mal-feita que faz alguém perceber que o autor simplesmente não conseguia tirá-los da situação com o que eles tinham, então ele volta a algum ponto anterior e joga uma ou duas linhas para montar uma vitória no fim da estrada. A partir do exemplo acima, talvez o herói tenha decidido aleatoriamente colocar uma pistola em seu bolso e só se lembrou agora de a tinha.
  4. Fridge Brilliance — Quando algo parece ser um Deus ex Machina, mas na verdade não é. Os escritores são apenas espertos demais para seu próprio bem. Para exemplificar a partir do acima, digamos que em alguma cena anterior o herói alterou intencionalmente sua arma para explodir caso ela seja usada e isso tanto faça sentido a partir de sua personalidade quanto pareça algo lógico para se fazer. Pode parecer como uma fuga pela tangente, mas então alguém se lembra de que ele é um Technical Pacifist que Doesnt Like Guns e nunca quis atirar em ninguém apesar do seu trabalho. Veja também Chekhovs Gun.

Note que os romanos e gregos usaram os tipos 1 e 2. Isto era principalmente devido à tradição; ao contrário de hoje, as audiências nos tempos antigos eram abertamente hostis à inovação excessiva ao ponto de quebrar em motins caso um escritor tentasse ir muito longe. Alguns modernos assumem, erradamente, que True Art é polêmica e sempre o foi, e supõe que escritores antigos eram pressionados pela "realeza" a não serem controversos. Na realidade as performances teatrais eram encenadas pelos edis, oficiais menores eleitos, que não tinham autoridade para prender ninguém. Os imperadores (quando eles se erguiam — pois na maior parte deste período Roma era uma república e não tinha realeza) tratavam o teatro como se ele estivesse abaixo deles — de fato, a única pessoa do teatro a entrar em problemas sérios o fez depois de cornear o imperador.

As linhas entre um Deus ex Machina e outros recursos é fina e confusa. Se o vilão acima cai subitamente como uma vítima de um atirador de fora da tela, o qual não tem nenhuma ligação com o plot ele provavelmente seria do tipo 2: é provável que o Big Bad tenha inimigos, mas esta seria uma Contrived Coincidence. Se o atirador acaba sendo alguma esquecida Victim of the Week ou um parente, é o tipo 3. Se um dos potenciais aliados do herói se recusou a participar da ação, mas decidiu a agir por si mesmo (e isto está dentro de caráter), pode ser o tipo 4. Se o vilão foi atacado mais cedo por alguns inimigos, lurked in his lair with tight security, mas então saiu do seu caminho para punir o herói e se fazer de bom alvo por contar vantagem em campo aberto, não é sequer Chekhovs Gun, apenas uma morte por descuido.

Nos primeiros anos da indústria cinematográfica, no entanto, o conceito voltou à moda devido ao Hays Code. Vilões, e todos que ultrapassavam a linha moral, não tinham permissão de se safar com seus crimes mas, como todo mundo sabe, O Mal É Da Hora. A solução foi deixá-los serem fodásticos durante o filme e, então, jogar uma ponte em cima deles nos últimos cinco minutos. Funcionou, é claro.

Apesar de tudo, até o temido Deus Ex Machina - talvez o trope mais notório entre os leitores, batendo até mesmo o Mary Sue - pode ser perdoado. Há maneiras de se ter uma solução Deus Ex Machina e ainda vir com uma conclusão satisfatória - veja a série de tropes "Regra de X" inteira: Regra do Maneiro, Rule of Cute, Rule of Empathy, Rule of Fun, Regra Do Engraçado, Rule of Romantic, Rule of Scary, Rule of Sexy (para aqueles sempre engraçados Deus Sex Machinas), Rule of Symbolism, e especialmente Rule of Drama. A palavra-chave, é claro, é "satisfatório". É definitivamente mais difícil de se atingir com algumas Regras do que com outras, mas não é imposível para nenuma delas.

Como notado acima, isto acontece com frequencia na Vida Real. É claro, a Vida Real é um sistema muito mais complexo que a maioria de suas versões ficcionalizadas, e portanto isso acaba em reviravoltas legítimas. A ficção também é limitada pela Law of Conservation of Detail, enquanto a vida real claramente não é.

Muito abusado como um termo para fazer a si mesmo um deus pela aplicação de tecnologia, por exemplo: cyborgs; não é o que isto significa! (Não que não tenha sido uma tentativa inteligente de jogo de palavras com os títulos de um video game clássico para PC chamado Deus Ex, suas sequências, ou o mága não relacionado "Deus Ex Machina").

O Reset Button frequentemente depende de Deus ex Machina. Um subtropo de Ass Pull; Veja também Diabolus ex Machina. Tipos particulares de deus ex machina incluem Coincidental Broadcast, You Didn't Ask, e frequentemente, Momento Eureka. Às vezes leva a Gainax Ending. Para um Deus ex Machina literal, considere Suspiciously Specific Sermon.

Aviso: SPOILERS relevantes abaixo.

Além disso além disso, por favor, tenha certeza de que você leu o critério acima ANTES de submeter um exemplo. Este não é um lugar para Reclamar De Reviravoltas Que Você Não Gosta.


Exemplos:

    open/close all folders 

    Vida Real 
  • Os shinpu (em português, "Ventos Divinos", também conhecidos como "kamikaze") foram um conjunto de furacões no anos de 1274 e 1281 que preveniram as invasões mogóis no Japão.
    • Nota: Furacões naquela área só acontecem uma vez a cada mil anos.
BordãoPt/Tropos LendariosGarota da Ação
Contribuidor DesavisadoIndice Principal Do TropesDodecaedro Amoroso

random
TV Tropes by TV Tropes Foundation, LLC is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Permissions beyond the scope of this license may be available from thestaff@tvtropes.org.
Privacy Policy
17186
33