Pt: Cem Anos de Solidão

"Muitos anos depois, diante do pelotão de fuzilamento, o Coronel Aureliano Buendía havia de recordar aquela tarde remota em que seu pai o levou para conhecer o gelo."
—A primeira linha.

"O que é que você esperava? — Úrsula suspirou. — O tempo passa.
Ë verdade — admitiu Aureliano — mas não tanto."

O livro que deu a Gabriel García Márquez o Prêmio Nobel. Obrigatório no ensino médio de países que falam espanhol, principalmente por ser terrivelmente profundo e muito complicado. Provavelmente um dos mais importantes trabalhos literários do século XX ou, para colocar em contexto, tão importante quanto Dom Quixote. A razão para isso é que, em apenas 609 páginas, o autor consegue misturar quase todos os tropes concebíveis naquele espaço de papel.

O enredo segue a história da família Buendía e da cidade que eles criaram, Macondo, uma metáfora para a América Latina como um todo, da sua fundação até o seu fim. Claro, contada em estilo não-linear, com cada geração tendo os mesmos poucos nomes, e é por isso que é tão confuso. Acredite ou não, a história se passa em um período de tempo de cem anos.


Cem Anos De Solidão dá exemplos de: